Respeito à criança
Respeito à criança

Para fazer o corte são utilizadas tesouras apropriadas – pequenas, com no máximo 15 cm e pentes adequados, sem cabo. Nunca é empregada máquina elétrica nem mesmo para realizar o acabamento, pois além de assustar a criança, seu uso frequente provoca irritações na sua pele sensível e engrossamento excessivo dos delicados pêlos que nascem nessas áreas. A técnica empregada permite aparar os pêlos utilizando-se somente a tesoura.

Observação e experiência
Observação e experiência

A observação criteriosa e a experiência obtida ao longo de três décadas, permitiu encontrar uma solução para outro problema comum durante os procedimentos em crianças: o risco de movimentos bruscos que podem prejudicar a perfeição do corte e até mesmo provocar pequenos ferimentos. Cortar cabelos não tem que ser uma tarefa chata, durante o corte são realizadas várias atividades para manter a criança destraída enquanto o serviço é realizado, como leitura de histórinhas, jogos com brinquedos e pintura de rosto.

Cuidado e precisão
Cuidado e precisão

Para sanar tal problema e empregando conhecimentos científicos de fisiologia sensorial, foi desenvolvida uma apurada técnica que emprega os dedos das mãos do profissional que fazem toques sutis e leves compressões, ora no pescoço, ora na bochecha ou mesmo na testa, assegurando o domínio do corte e mantendo a criança na posição desejada, além de evitar os movimentos reflexos provocados pelas indesejadas cócegas.

Caprichando nos detalhes
Caprichando nos detalhes

Duas proteções adicionais sempre são adotadas pela profissional: uma delas consiste em prender os fios entre os dedos com certa folga, sem retesamento, para evitar que qualquer movimento provoque imperfeição no talhe. A outra prevê o posicionamento de uma das mãos entre a cabeça da criança e a tesoura, garantindo perícia e total segurança na arte de fazer o contorno adequado à silhueta de cada um.